Cerveja sem álcool, adote essa ideia sem preconceito!

Ao longo de 2019 e também agora, no início de 2020, temos recebido muitas dúvidas em nossas lojas sobre cervejas sem álcool. São indagações que se referem aos lançamentos (como é o caso da Heineken Zero) e também sobre a eficiência destes produtos perante ao bafômetro. Mas, no nosso entendimento, a cerveja sem álcool tem um apelo muito maior: o estilo de vida mais saudável.

Estima-se que o consumo de cerveja sem álcool no Brasil represente cerca de 1% de toda cerveja produzida no país (perspectiva otimista). Enquanto isso, a média nos EUA supera os 8% e, na Europa, este percentual chega na casa dos 12% em muitos países, com alguns ficando acima dos 15% (como é caso da Espanha e Alemanha). Diversos sites especializados no exterior apontam que este número possa ser maior, pois, nos últimos anos houve forte migração para a Europa de pessoas com práticas religiosas que não permitem consumo de bebida alcoólica.

Para ter uma ideia da força que a cerveja sem álcool vem demonstrando, basta fazer uma pesquisa breve no Google. Há, inclusive, cervejarias artesanais que só produzem cerveja sem álcool. Junto disso, a Europa já anunciou que pretende promover ainda mais campanhas de incentivo a este tipo de consumo, sem falar nos incentivos fiscais que beneficiam a indústria e permitem maior competitividade perante às outras cervejas com álcool. Afinal, produzir uma cerveja não-alcoólica custa mais caro, pois há muita tecnologia e inovação envolvida para ser diluída em uma parcela pequena de consumidores. Pequena, por enquanto.

Muitas pessoas que hoje não ingerem bebida alcoólica, um dia foram pessoas que consumiam bebidas com álcool (na grande maioria, cerveja). Isso demonstra que vem ocorrendo uma conversão generosa de consumidores ano após ano. E essa migração para produtos sem álcool tem muitas razões, como a postura no trânsito, religiosidade, saúde, dentre outras. Além disso, as novas gerações estão se desenvolvendo com muito mais informação e orientação voltadas à abstenção de álcool.

Contudo, outra dúvida que paira no ar, diz respeito ao sabor da cerveja sem álcool. Muita gente simplesmente não consegue migrar da cerveja com álcool para a sem álcool por causa do sabor. Acham estranho, diferente. Por isso, acabam abandonando o consumo de cerveja por completo. É uma questão de paladar. Mas tem solução!

Beber menos e melhor
Este conceito visto nas cervejas artesanais, vale também para as sem álcool. Um dos comportamentos que a gente observa nas conversas com clientes aqui nas lojas Bavihaus, é diminuição do volume consumido, acompanhado da experimentação de novos rótulos. Quando a cerveja é sem álcool, o volume consumido acaba sendo menor e, com isso, sobra espaço no orçamento para se arriscar em cervejas sem álcool que entreguem uma melhor qualidade sensorial e uma experiência gustativa mais rica. É o caso das cervejas artesanais sem álcool ou então das cervejas de trigo sem álcool.

No entanto, essa postura é observada em uma pequena parcela de clientes. A maioria das pessoas busca uma cerveja sem álcool a um preço justo. De preferência que apresente um sabor semelhante às cervejas com álcool (que elas estavam acostumadas a beber). Já para quem nunca bebeu cerveja com álcool, passar a consumir as sem álcool pode ser um processo mais simples, pois não terá um parâmetro de comparação.

Baixas calorias
Existem alguns fatores que tornam cerveja sem álcool uma fonte de nutrientes saudável e com baixas calorias. O principal delas é o fato de que uma cerveja sem álcool necessita de uma quantidade menor de ingredientes se comparada a uma cerveja com álcool. Como sua fonte principal de carboidratos é o malte, ele pode ser usado em menores proporções. Com menor proporção de malte, a cerveja terá menor proporção de álcool, que facilita a remoção em um processo posterior. É mais fácil e mais barato remover o álcool de uma cerveja com 2% de graduação alcoólica do que de uma cerveja com 5%.

Prática de esportes
Na Europa, existe uma variedade de cervejas sem álcool que pode superar a casa dos 500 rótulos. Alguns deles, dedicados aos atletas profissionais, com informações nutricionais expostas e legíveis. Por lá, é normal a gente ver pessoas saindo de um treino intenso e se reidratando com cerveja. Por aqui, este hábito existe, mas é bem incomum. 

Além dos esportes
Porém, não é só na prática de esportes que a cerveja sem álcool pode ser uma aliada. Já pensou você trocar o refrigerante (que é uma bomba calórica, cheio de açúcar) no intervalo do trabalho por uma cerveja sem álcool com menos de 70 calorias? Isso já é possível, e quem tem se beneficiado disso é a Heineken, que já lançou sua cerveja zero álcool na Europa e EUA e tem sua perspectiva de lançar aqui no Brasil no primeiro trimestre deste ano.

A legislação
De acordo com o Artigo 38 do Decreto n° 6.871, de Junho de 2009, cervejas com menos de 0,5% de teor alcoólico são consideradas s/álcool. Em Julho de 2015 o Inmetro realizou uma pesquisa e concluiu que a ingestão moderada desse tipo de cerveja (com até 0,5% de teor alcoólico) não provoca impacto diante do teste do bafômetro. No entanto, com o avanço da tecnologia cervejeira, hoje é possível encontrar cervejas sem álcool 0,0%! 

As substitutas
Existe uma variedade interessante de cervejas sem álcool capazes de substituir as cervejas tradicionalmente conhecidas. Hoje praticamente toda grande cervejaria possui uma ou mais versões sem álcool de alguma de suas cervejas. A questão aqui, como falamos anteriormente, é o paladar. A maioria (ou nenhuma) dessas marcas conseguiu produzir uma versão sem álcool que apresente um sabor parecido com a versão alcoólica. Temos por exemplo a Brahma Zero, Schin Zero, Itaipava Zero, dentre outras. Também há versões escuras como a Malta Malzbier Sem Álcool. Opção não falta.

A produção
Como as metas para aumentar o consumo de cerveja sem álcool no mundo são ousadas, certamente as tecnologias vão evoluir. Mas no momento, até onde se sabe, temos as seguintes formas de fazer cerveja sem álcool (se alguém souber de um novo processo, comenta aqui).

Fervura: a cerveja, que até então passou pelo processo tradicional de fabricação, agora é exposta a elevadas temperaturas para que o álcool evapore até o limite mínimo necessário.

Destilação a vácuo: é parecido com o processo anterior, porém, a bebida é colocada a vácuo, ocasionando um aumento de pressão, que faz com que o álcool evapore a uma temperatura menor do que no caso acima, sendo preciso ferver por menos tempo p/eliminar a substância.

Fermentação interrompida: o processo de fermentação, que neste caso é feito em temperatura menor do que o tradicional, é interrompido logo após o início, apenas para a produção de carbonatação, impedindo a produção de álcool.

Osmose reversa: nesse processo, a cerveja é submetida a uma espécie de filtro, onde ficam contidos os ingredientes componentes do sabor, exceto a água e o álcool. Então, é feita uma destilação para a retirada do álcool, e o líquido que permanece é adicionado novamente aos demais ingredientes que ficaram no filtro.

Sem preconceito
Portanto, galera, a cerveja sem álcool que ainda é vista com muito preconceito, tende a conquistar seu espaço. A gente nunca sabe qual é a razão dessa ou daquela pessoa beber cerveja sem álcool, temos que respeitar. Como falamos, pode ser religiosidade, problemas de saúde ou qualquer outro motivo. Importante é a gente entender que tem espaço para todas as cervejas e que todos somos livres para beber o que quisermos. Forte abraço! #saúde!

Escrito por

0 Comentários

  1. Deixe um Comentário